Utilizamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que você concorda com a nossa política de privacidade, termos de uso e cookies

Telemedicina: A importância e liberação na quarentena

Compartilhe este post:

  A Covid-19 está fazendo com que repensemos algumas formas de trabalho e como nos relacionamos com certos serviços que antes eram feitos somente presencialmente. As consultas médicas são um exemplo. Entenda, neste artigo, porque a liberação da telemedicina na quarentena é importante.

 

Em tempo: saiba como ser mais produtivo com sua clínica odontológica durante a quarentena!

 

O que é a Telemedicina?

A Telemedicina é uma modalidade da medicina que tem como objetivo oferecer suporte diagnóstico de forma remota. Ela é bastante importante para o atendimento médico em áreas de difícil acesso, por conta de questões geográficas, sociais ou qualquer outro que impeça um atendimento presencial.

 

Desde os anos 1990, a telemedicina é um assunto em pauta pela OMS, sendo que em 2005  editou uma resolução recomendando a telemedicina e a telessaúde para os seus 192 membros, com o Brasil incluso na lista.

 

Dessa forma, o Ministério da Saúde criou em 2006 o programa Telessaúde Brasil, o qual oferecia aos pacientes uma teleconsultoria, ou seja, uma segunda opinião para os seus casos clínicos.

 

A telemedicina sempre foi tratada com muita cautela e com muita polêmica. Apesar de existir casos onde ela era usada para dar uma segunda opinião sobre alguns casos, ela nunca avançou além disso.

 

Nunca foi a primeira opção, e funcionava somente para indicar ao paciente qual era o melhor caminho a seguir - se para um especialista ou para o pronto socorro, por exemplo.

 

A telemedicina nunca foi utilizada para diagnosticar ou para receitar tratamentos e remédios. Até agora.

 

A telemedicina na quarentena do Covid-19

  2020 está sendo um ano com bastantes desafios, por conta da pandemia do Coronavirus.

 

Estamos precisando nos adequar a uma nova rotina onde, por enquanto, o isolamento físico é essencial para o combate à Covid-19.

 

Dessa forma, foram necessárias adaptações e revisões de alguns serviços essenciais. E isto inclui a questão da telemedicina.

 

Inicialmente, a telemedicina era apenas um serviço complementar, onde não era possível efetuar uma consulta, mas apenas um direcionamento e segunda opinião.

 

Contudo, em março de 2020, o Conselho Federal de Medicina aprovou em caráter excepcional e temporário a execução de consultas via telemedicina.

 

Esta definição está no  art. 2º, caput, da Portaria 467/2020.

 

Com isso, é possível efetuar consultas, diagnósticos e prescrição médica por meio da Telemedicina enquanto durar a emergência de saúde pública causada pelo Coronavirus Covid-19.

 

Saiba como automatizar seus atendimentos na sua clínica odontológica

 

Por que essa liberação é importante?

Enquanto não existe uma vacina ou remédio contra a Covid-19 e por ela ser altamente contagiosa, uma das melhores práticas para evitar a sua disseminação é o distanciamento social.

 

Dessa forma, vários serviços foram afetados e precisaram rever seus processos e suas estratégias, e a medicina foi uma delas.

 

O fato de estarmos lutando contra uma pandemia não exclui o fato de que ainda existam outros casos médicos a serem analisados. Mas como efetuar uma consulta, em meio a uma pandemia?

 Isso colocaria em risco tanto o paciente, quanto o médico.

 

Portanto, a telemedicina se faz bastante importante nesse momento no qual vivemos, pois ela é uma ferramenta essencial para que os médicos continuem cuidando da saúde das pessoas, mesmo à distância.

  

Além disso, a telemedicina evita que pacientes vão ao hospital, no pronto socorro, e se exponham à Covid-19 sem necessidade. 

 

E as consultas odontológicas?

Apesar da telemedicina ter sido liberada temporariamente, ela diz respeito somente à consultas médicas e não odontológicas.

 

No caso da odontologia, ainda se mantém restrito o uso da telessaúde apenas para a orientação e não para consultas.

 

Por conta disso, algumas empresas de planos odontológicos já fornecem serviços de orientação à distância, como a OdontoPrev, por exemplo.

 

Mas, o profissional odontológico ainda não está regulamentado a exercer consultas via teleconsulta.

 

Contudo, existe um projeto de Lei, ainda não aprovado, que propõe a liberação da Teleondoltogia em caráter de exceção por conta da pandemia causada pela Covid-19.

 

 Esperamos que, ou esse projeto, ou alguma outra resolução seja feita para atender as necessidades da classe  odontológica  nesse momento difícil. 

Veja como automatizar agendamentos feitos pelas suas redes sociais, caindo diretamente na agenda do seu consultório.